domingo, 23 de abril de 2017

Dois poemas S/T _ maria gomes


É de neve este mar
E eu habito-o
Perdi as ilhas
Perdi a visão que foi minha
No monólogo infinito da noite
os pássaros cantavam na quase luz nas margens das
                                                                             [palavras.
mariagomes
abril, 2017

***«»***

Para onde te leva esse fogo,
esse coração a sondar a palavra?
Para onde te leva a transparência dos pássaros?
A que vida?
Mal ou bem, a tua voz é uma rua sem nome.
A tua voz sai das pedras, ascende, leve, à beleza terrível.
mariagomes

abril, 2017
2017 04 23

Ver também aqui

sábado, 22 de abril de 2017

PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL-100 FOTOGRAFIAS

Vídeo retirado do Grupo "Os Valores de Abril no Futuro de Portugal"

São imagens do rasto do tempo, que me rasgam a memória dorida. O tempo das catacunbas e da escuridão, vivido na vigília da noite, à espera das libertadoras alvoradas. Um tempo que nos esmagava o sonho e cortava as asas e que nos impedia de voar em liberdade e uma dor profunda, pelo povo que sofria nas amarras do silêncio e pelos soldados que morriam ingloriamente, numa guerra bárbara e injusta.
Eu sei que esta dor não é compreendida pelos que vieram depois daquela alvorada, porque se trata de uma dor da memória, apenas sentida por quem a viveu e sofreu...
Para compreender a importância do 25 de Abril de 1974, é necessário, antes de tudo, perceber o que era Portugal, antes dessa gloriosa data. As imagens, que hoje vos mostro, são elucidativas e dispansam as palavras dos discursos de ocasião.
Pertenço à Geração de Abril. Pertenço à ultima geração que participou na Guerra Colonial. Esta minha geração já é a única que tem a memória viva do que eram eram aqueles tempos de chumbo e de miséria. E esta geração, pelo ordenamento da leis da vida, está lentamente a desaparecer. Temo que as gerações que se lhe seguiram, e talvez por nossa culpa, se esqueçam dessa memória viva, e permitam que, por outras formas capciosas, Portugal regresse aos tempos da escuridão.
Alexandre de Castro
2017 04 22

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Pauliteiros de Miranda do OUP e da AAOUP - Padre António


Os Pauliteiros de Miranda

Trata-se da relíquia mais antiga e mais original do folclore português, e que é uma verdadeira pérola etnográfica do património cultural e imaterial do meu país e da região onde eu nasci.

Dizem os entendidos que a sua origem deriva do contacto com os romanos, que ocuparam a Península Ibérica, durante vários séculos. Outros defendem a tese da influência celta, uns séculos antes. Inclino-me mais a aceitar a primeira hipótese. Seja como for, o que é
certo, é que estamos na presença de um registo importante da memória do passado remoto dos portugueses.

Publiquei, ontem, na minha página do Facebook, este vídeo, acompanhado do texto, que a seguir transcrevo:

“Deliciem-se com a dança dos Pauliteiros de Miranda. Tentem ver, nos movimentos e na indumentária (o célebre saiote bordado) dos dançarinos, uma réplica de soldados romanos a combaterem, o que, julga-se, teria sido a fonte inspiradora deste tesouro folclórico e etnográfico do nosso património imaterial.

A relativa proximidade do local onde esteve sediada, há mais de vinte séculos, uma Legião Romana, e que deu origem à cidade de Leon, em Castela, explica este processo de assimilação, por parte dos povos do planalto mirandês”.
Alexandre de Castro
2017 04 12

quarta-feira, 12 de abril de 2017

COMUNICADO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS


FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS


Lutar contra médicos indiferenciados e exigir responsabilidades ao
Ministério da Saúde

No concurso de acesso ao Internato Médico que decorreu entre 28 de novembro e 4 de dezembro de 2015, 114 médicos internos que iniciaram o internato médico em Janeiro de 2015, viram-se impedidos de prosseguir a sua formação especializada por insuficiência de vagas no respectivo mapa global das várias especialidades.

Isto levou à situação excecional de médicos internos, portanto em formação, ligados ao Serviço Nacional de Saúde por um contrato de trabalho a termo resolutivo incerto, válido até à obtenção do grau de especialista, mas excluídos de qualquer processo de formação e, como tal, impedidos de obter esse mesmo grau de especialista.

Tendo sido interposta em Tribunal uma acção por um grupo de médicos, a sentença veio confirmar as suas pretensões, referindo 3 pontos essenciais:

- validade do contrato até obtenção do grau de especialista.
- direito à formação específica.
- sem necessidade de se submeterem a novo concurso.

Em 3 de Janeiro de 2017 foi publicado, em violação da sentença do Tribunal
Administrativo, o inexplicável Despacho 89/2017 que refere, entre outras coisas, que os médicos internos que não se candidatem ao concurso do Internato Médico de 2017 serão despedidos.

Só que, inacreditavelmente, o processo de candidatura a este concurso de 2017
terminou em Setembro de 2016 e o teste de seriação dos candidatos de 2016,
requisito para poder concorrer ao concurso de 2017, aconteceu em Novembro de 2016.

Desta trapalhada ministerial resultou que foi publicado um despacho com efeitos retroactivos, impossibilitando que os médicos em causa se pudessem candidatar.

É urgente que o Ministério da Saúde resolva esta iníqua situação, revogando esse despacho retroactivo e que, por outro lado, coloca directamente em causa os compromissos que tinha assumido com estes médicos.

No entanto, a revogação do citado despacho implica também que as promessas
efectuadas a nível ministerial sejam cumpridas e que estes médicos não sejam
despedidos no próximo mês de Julho.

De acordo com informações já recolhidas, existem algumas administrações
hospitalares a prepararem-se para proceder a despedimentos deste tipo.
É urgente que o Ministério da Saúde se disponibilize a negociar, na prática e não por palavras, uma política de efectivo combate à existência de médicos indiferenciados e ao seu preocupante crescimento.

Sem essa disposição política, as tais empresas de cedência de mão obra médica
continuarão a dispor de lucros cada vez mais vultuosos, mas os cidadãos portugueses passarão a ter uma prestação de cuidados de saúde de qualidade muito baixa.

A FNAM desenvolverá todos os esforços para que negociações sérias permitam
solucionar este grave problema.

Lisboa, 10/4/2017

A Comissão Executiva da FNAM

segunda-feira, 10 de abril de 2017

A lógica perversa dos patrões


Dunas _ Fotografia de Milú Cardoso


A fotografia de Milú Cardoso tem uma particularidade interessante: a descontinuidade do plano de profundidade, conseguida pela ocultação do plano de médio fundo, através da sobrevalorização visual -  magnífica, e esteticamente brilhante - do primeiro plano, o imediatamente perceptível para o observador, em que surge o entrelaçado das hastes dos arbustos, num efeito de rara beleza.. O contraste do amarelo dos arbustos com o azul das águas do mar acaba por enriquecer o conjunto. Trata-se, pois, de uma belíssima fotografia.
Alexandre de Castro
2017 04 09

domingo, 9 de abril de 2017

Dois Brancos & Um Preto - Calhambeque (feat. Lili Caneças)


Lili Caneças é a estrela do último vídeo viral

A celebridade portuguesa participa no videoclip
do tema Calhambeque de Dois Brancos & Um Preto. E até empresta a sua voz ao
refrão.
E se a dona da garagem da famosa música de Quim
Barreiros fosse a Lili Caneças? Na versão dos Dois Brancos & Um Preto é
isso mesmo que acontece. No videoclipe do tema, a celebridade portuguesa de 72
anos deixa claro que a idade não a impede de participar dos fenómenos musicais
mais recentes. O vídeo tornou-se rapidamente viral, com quase 100 mil
visualizações em apenas dois dias.
PÚBLICO
***«»***
Se Lili Caneças passar pelo Egipto, arrisca-se a ser encaixotada num sarcófago, numa das pirâmides de Gizé.
No entanto,temos que admitir que a Lili Caneças conseguiu marcar a gloriosa época tas "tias" da Linha de Cascais e que, depois de se aposentar, não teve sucessora à altura. Soube construir e gerir a sua carreira, com mérito. Concorde-se ou não com o conceito e com o estilo.
Alexandre de Castro
2017 04 09 

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Salvador Dali, um dos maiores pintores de todos os tempos


Salvador Dali, um dos maiores pintores de todos os tempos

Salvador Dali, um dos maiores pintores de todos os tempos, perseguiu, durante todo o seu percurso artístico, a ideia da transgressão, quer a transgressão temática, desconstruindo as narrativas mitológicas e as narrativas do mundo real, tal como as interpretamos, quer a transgressão formal, ao nível do estilo pictórico e ao nível da figuração, optando por agigantar até ao limite as personagens e todos os elementos físicos das suas composições. Repare-se, por exemplo, no efeito cinético, conseguido na pintura "A Tentação de Santo António", em que o cavalo, desencabrestado, parece querer saltar para fora da tela.
Dali, tal como Picasso, inaugurou um novo conceito de pintura, que eu designo de surrealismo do fantástico ou, segundo alguns autores, do surrealismo metafórico. Também poderíamos dizer que Dali trabalhou na tela a alucinação, a loucura, a excentricidade e o assombro, numa tentativa de intimidar o espectador, obrigando-o a ser mais activo na observação e na interpretação da obra, já que, em relação ao passado, olhava-se para uma pintura, de uma forma mais passiva e tranquila, tal como se se observasse uma paisagem. Perante uma pintura de Dali, ninguém fica indiferente. Pela intensidade das cores e pela distorção e gigantismo das formas, e, também, pelo uso do plano da profundidade, que dá a sensação de não ter fim, Dali impressiona e cria tensões emocionais nos espectadores. Ele não é o pintor da estética harmoniosa. Na maioria dos seus trabalhos emerge uma tensão de violência e uma sensação de desequilíbrio, à beira do abismo.
Alexandre de Castro
2016 01 30

sábado, 1 de abril de 2017

DADOS ESTATÍSTICOS – MARÇO 2017 _ Alpendre da Lua


ALPENDRE DA LUA
DADOS ESTATÍSTICOS – MARÇO 2017 (1)


JANEIRO 2017 ….............  42.044 visitas (2) (3)
FEVEREIRO 2017 .............13.806 visitas (3)
MARÇO 2017 ……………   21.630 visitas (3)

Histórico total de
visualizações de páginas      507.538
**

PÁGINA MAIS VISITADA EM MARÇO DE 2017

A Europa já é um cadáver adiado…….. 8.472 visitas

***
(1) - DADOS DO GOOGLE

(2) - Este resultado, declaradamente atípico, respeitante a Janeiro, e que ultrapassou, pela positiva, a média geral mensal, deve-se à publicação referente à morte de António Tereso - o herói da fuga do Forte de Caxias, no carro blindado de Salazar, de sete de Janeiro, e que obteve até ao momento 21.105 visitas (ver aqui), quase alcançando o número de visitas do mês de Março.

(3) - Se adicionarmos a estes valores, os obtidos pelo Alpendre da Lua, no blogue de blogues, Abril de Novo Magazine - cuja contabilização, que desconheço, não entra nesta estatística, a não ser que o leitor accione o respectivo link, que, em cada publicação, vem indicado, no fim da página, procedimento que, no entanto, deve ser raro, pois a maioria de leitores, por uma questão de economia de tempo, lê o texto transcrito por aquele blogue de blogues - pode considerar-se que o Alpendre da Lua já tem uma grande audiência, o que me regozija muito.

quinta-feira, 30 de março de 2017

É este o fulgor do instante…


É este o fulgor do instante…

Há rostos que se escondem no silêncio e na ausência
e eu apenas os posso ver através da minha cegueira.
É este o fulgor do instante,
quando o instante se revela em toda a sua plenitude.
É de ti, que há-de vir o último sopro de vida
que me liberte da escuridão dos dias…

Alexandre de Castro
 Lisboa, Março de 2017

Ver também aqui.

FOTOGRAFIA DE MILÚ CARDOSO


Captação oportuna de um belo e original efeito da Natureza, Natureza essa que está sempre a surpreender-nos.
Ver também aqui 

quarta-feira, 29 de março de 2017

A grande noite do deserto _ Maria Azenha

A Tentação de Santo Antão _ Salvador Dali

Devido à limitação de espaço, deste blogue, no sentido da largura, remeto o leitor para o blogue Tempo dos Sentidos, onde poderá ler o poema A grande noite do deserto, de Maria Azenha, assim como a referência crítica ao seu livro de poemas, A casa de ler no escuro, que foi considerado pela revista literária LETRAS IN.VERSO E RE.VERSO, um dos melhores dez livros de poesia, publicados no Brasil, em 2016.
2017 03 29

domingo, 26 de março de 2017

Seeing Paris: Part One: On the Boulevards (1920s)

Falta na Europa um forte movimento comunista

As recentes eleições da Holanda realizaram-se sob
o signo da imigração e do terrorismo islâmico

No Governo de Angela Merkel, mais especificamente no Ministério dos Negócios Estrangeiros, parece que se suspira de alívio com a derrota de Wilders. É pelo menos isso que se dá a entender com o tweet do MNE alemão: “Uma grande maioria de eleitores holandeses rejeitaram os populistas anti-Europa. São boas notícias. Precisamos de vocês para uma Europa forte”, lê-se nessa mensagem, que é dirigida ao MNE da Holanda.
Observador
***«»***
Se eu fosse um europeísta convicto, que não sou, não alinharia neste triunfalismo do governo alemão, que nós sabemos ser apenas assumido, para efeitos de propaganda e para consumo da sua opinião pública. Politicamente, nas últimas eleições da Holanda, foi a extrema-direita que ganhou, tendo avançado no terreno eleitoral, ao contrário dos partidos do establishment, que, na sua maioria, perderam votos e deputados.  

Por vezes, a leitura aritmética dos resultados de umas eleições não é suficiente para compreender, na globalidade, o sentimento político dos eleitores. E não tenhamos dúvidas: a extrema-direita vai continuar a avançar, explorando habilmente as graves contradições do projecto europeu, que mesmo muitos europeístas já admitem, sem rebuço. A ideia, de que o euro é uma moeda que está, essencialmente, ao serviço da economia da Alemanha e que é a causa do agravamento das condições de vida dos trabalhadores e da classe média, começa a ganhar terreno, junto da opinião pública.

A minha grande preocupação é tentar perceber por que razão o descontentamento popular está a ser atraído pela extrema-direita e não se desloca para a esquerda. Alguém dizia, e com razão, que, em Portugal, a extrema-direita não consegue levantar a cabeça (por enquanto), porque existe um Partido Comunista, coeso, consequente e forte, o que inibe a onda populista e trava a deriva do PS, do PSD e do CDS para um posicionamento político mais à direita. E é isto que falta na Europa: o ressurgimento do movimento comunista internacional.      
Alexandre de Castro
2017 03 21

domingo, 19 de março de 2017

Poema de Sónia M. _ [celebração de um regresso (*)]

O Beijo _ Gustav Klimt _ 1907 e 1908

Dar-te-ia uma noite clara
Isenta de gritos e no
Zelo das margens do rio 

Que te banha a alma, beijaria 
Um a um os teus medos. Por 
Entre a sede das mãos, escorreria 

A verdade que entregámos aos pássaros.
Instante de luz a ofuscar os dias. 
Nesga de loucura a guardar os sonhos. 
Deitaria às águas um verso branco.
Astro fecundo nos meus verdes olhos. 

Mistério encostado ao céu da boca do 
Encanto, com que envolves 

As minhas mãos vazias. 
Morresse a lonjura no abraço do verso.
Antes não fosses um destino 
Sem tempo. Pátria perdida... à qual nunca regresso. 

Sónia M 

(*) Nota do editor.

Amabilidade da autora.

***«»***
Que belo é este poema, que fala da "verdade que entregámos aos pássaros", do “Astro fecundo nos meus verdes olhos”, que tanto encantam e seduzem, do “Mistério encostado ao céu da boca do Encanto”, mas que arrasta a sombra negra de um pesadelo amargo: "Antes não fosses um destino/Sem tempo, Pátria perdida… à qual nunca regresso”.
Um poema, que é um diamante. E não é pela sua intenção declarada, mas sim pela sua exigente construção metafórica e lexical. Há nele verdadeiras preciosidades poéticas, no jogo hábil das palavras e das metáforas, que só os grandes poetas conseguem exprimir..
2017 03 19

Abstracto - Preto Cinzento Branco _ Afonso de Castro


A prenda que recebi, no Dia do Pai.

Faleceu o Henrique Loureiro


Faleceu o Henrique Loureiro

Morreu o Henrique Loureiro, um antigo colega dos tempos em que frequentámos o Liceu de Lamego. A nossa amizade, que se formou na partilha das salas de aula, na equipa de andebol, em que nos sagrámos campeões distritais, e na cumplicidade das tertúlias, foi reavivada, depois de largos anos de ausência, nas manifestações da MEMÓRIA, promovidas pelos Antigos Alunos do Liceu de Lamego.
O Henrique (o Henrique Boné, e eu não sei qual a origem da alcunha) sempre foi um homem simples, modesto, honesto, generoso, franco e leal, qualidades raras numa só pessoa, e que eram reconhecidas por todos aqueles que com ele conviveram no liceu de Lamego.
Vou ter muitas saudades do Henrique.
Alexandre de Castro
2017 03 19

sábado, 18 de março de 2017

Fotografia sem título da "poeta" Maria Gomes

Clicar para ampliar a fotografia

Como se fosse um poema! Uma imagem que nos obriga a esperar pelo tempo das árvores...
Na "poeta" Maria Gomes, tudo é poesia...

quarta-feira, 15 de março de 2017

Teoria da Demanda de Keynes e Portugal e o seu labirinto…



Teoria da Demanda de Keynes e Portugal e o seu labirinto…

Os dirigentes políticos portugueses, antes de terem assinado a adesão à moeda única, o acordo com a troika e o Tratado Orçamental, deveriam ter aprendido esta lição de Economia, sobre a Teoria Geral da Demanda, de Keynes. Portugal não estaria hoje no grande buraco em que se encontra, se esses dirigentes não estivessem deslumbrados com a cavalgada neoliberal, a variante mais agressiva do capitalismo moderno - em que a liderança passou a estar nas mãos do capital financeiro – e que se caracteriza por aprofundar a transferência da riqueza dos países menos ricos para os países mais ricos, e, dentro de cada país, transferir os rendimentos do trabalho para os rendimentos do capital.

Devido à subserviência desses políticos, em relação a Bruxelas e a Berlim, Portugal passou à categoria de país semi-independente, e, se nada for feito em sentido contrário ou se a União Europeia conseguir resistir aos terramotos políticos, económicos e sociais, que se avizinham, daqui por uns anos, Portugal será uma colónia da Europa.

Há anos que eu e muitos outros andamos a dizer isto. E o que está a acontecer, hoje, na Europa, parece que nos está a dar razão. O ressurgimento da onda populista da extrema-direita deve-se essencialmente às contradições da construção europeia, que foi desenhada para fortalecer as economias da Alemanha e da França. O resto são histórias da carochinha, para embalar crianças.
Alexandre de Castro
2017 03 15

segunda-feira, 13 de março de 2017

Um grito de inconformismo _ por Maria De Fárima Duarte


Um grito de inconformismo 

Texto escrito, no Facebook, pela minha querida amiga Maria De Fátima Duarte, em resposta a uma minha intervenção naquele espaço. Um texto sem rodeios e sem preocupações estilísticas, que retracta a preto e branco a realidade vivida no nosso país, ao mesmo tempo que denuncia a indiferença e o alheamento de muitos portugueses, pela causa pública, que a todos diz respeito. Além de ser um texto escrito com alma e com raiva, é, acima de tudo, um grito de inconformismo, que pretende abanar as consciências adormecidas, pelo que merece ser aqui publicado.
Tomei a liberdade de o intitular “Um grito de inconformismo”.
AC
***«»***

Nem mais, meu querido amigo Alexandre de Castro, diz muito bem: "tudo o que fizermos de bem ou de mal vai repercutir-se nas próximas gerações".
E acrescento:
Temos feito mais mal que bem. E a factura para pagarmos é-nos apresentada com juros.
A maioria de nós, "zés" e "marias" e povinho, não tem noção da cratera em que estamos metidos. Pior, são egoístas e nem no futuro dos filhos pensam quanto mais no dos netos.
Alguns ainda conseguem ajudar seus filhos já adultos, mas não veem que eles não vão conseguir ajudar os deles por não terem como o fazer.
A falta de trabalho, os vencimentos e as reformas miseráveis, bem como o aumento do tempo para a reforma serão os maiores entraves.
No próximo ano, o tempo para a reforma vai de novo aumentar e, por este andar, em pouco mais de uma década a reforma vai passar para os 70 anos. E também há quem não perceba que roubar cinco anos aos idosos é muuuuuuuuuuuito tempo. Para muitos deles, são os últimos anos de suas vidas, nem vão chegar a usufruir das mesmas.
É mais preocupante o futuro dos nossos descendentes e o dos filhos deles do que propriamente o nosso.
E constato, indignada e triste, que há cidadãos que vivem com vencimentos e reformas mínimas e conformam-se, nada fazem para mudar o estado lastimoso do nosso Estado, senão maldizer de uns e irem em defesa de outros, recusando admitir que são todos farinha do mesmo saco.
Entretanto, o Alexandre, eu e outros como nós, que vemos a podridão em que estamos metidos, para além de lutarmos contra os politiqueiros permissivos e assaltantes, denunciando-os, ainda temos de ouvir os compatriotas "cegos e surdos", defenderem o indefensável e aceitarem os ruinosos erros e os desmandos dos carrascos. E, para cúmulo, ainda votam neles.
Maria De Fátima Duarte
2017 03 13

Agradecimento...


Agradeço à Clotilde Amand Houzell, à Mirita Baars e ao Joaquim Correia a amabilidade de terem aderido ao Alpendre da Lua.

sábado, 11 de março de 2017

Fórum Médico _ COMUNICADO



COMUNICADO

Fórum Médico

Os médicos e os doentes portugueses estão indignados com a situação que se vive actualmente na Saúde.
A pressão excessiva e a interferência, por parte da tutela, nas boas práticas médicas e, consequentemente, na qualidade da medicina, ultrapassou o limite do aceitável.
O acesso aos cuidados de saúde continua a agravar-se, existindo uma gritante injustiça e desigualdade entre os grandes centros urbanos e as regiões mais periféricas, mais carenciadas e mais desfavorecidas.
As condições de trabalho continuam a agravar-se. O contexto laboral e salarial mantém-se em níveis de deterioração elevados. A capacidade formativa está amputada devido à escassez de capital humano e requisitos no SNS. A interferência incompreensível na formação médica e na investigação clínica no sector público é mais um contributo negativo para a qualidade da formação. A política deliberada de tentar espartilhar a autonomia técnico-científica e os actos médicos, em nome da sustentabilidade, não defende nem respeita os doentes nem os profissionais de saúde.
A violação sistemática da legislação laboral por parte dos profissionais da gestão e das administrações nomeadas, a legislação inadequada que impede o funcionamento e flexibilidade necessária para responder aos desafios do presente e do futuro, contribuem também para agravar a indignação que cresce no seio dos médicos que, apesar de todas as adversidades, têm mantido o SNS a funcionar, com milhares de horas de trabalho que ultrapassam largamente os limites da própria legislação.
Os exemplos são muitos, não foram resolvidos, e irão ser em breve divulgados num diagnóstico da situação, que será entregue ao Ministro da Saúde e ao Presidente da República Portuguesa.
Se as promessas ministeriais se transformassem em atos concretos e em medidas de solução dos problemas existentes, hoje não estaríamos aqui reunidos. Chegamos a uma situação que já não permite qualquer atitude expectante.

Face ao exposto, as organizações médicas hoje reunidas no Fórum Médico entendem:
1 – Defender um SNS de qualidade que respeite os preceitos Constitucionais, com o orçamento público adequado.
2 – Congratular-se com a união e convergência de todas as organizações médicas e de todos os médicos na defesa dos doentes e da qualidade da medicina.
3 – Estimular as organizações médicas para que, no âmbito das suas competências legais, apresentem um programa de negociações, dotado de um curto calendário negocial e onde todos os problemas que afectam a medicina e os médicos sejam objecto de análise e resolução.
4 – Tal programa global de negociações deve contemplar aspectos fundamentais vertidos nos cadernos negociais dos sindicatos médicos já reiteradamente entregues ao Ministério.
5 – A questão da reposição do valor remuneratório do trabalho suplementar a que os médicos são obrigados, não sendo matéria isolada é de imperiosa resolução a muito curto prazo.
6 – Caso as negociações não se traduzam a curto prazo em resultados inequivocamente positivos, as organizações sindicais médicas estão preparadas para desencadearem os adequados mecanismos legais de convocação de uma greve nacional dos médicos.
7 – O Fórum Médico decide ainda constituir-se em estrutura informal dotada de um regular funcionamento e como um espaço privilegiado de diálogo, articulação e convergência entre as várias organizações médicas.

APROVADO por unanimidade e aclamação

Lisboa, 10 de Março de 2017

Secretariado do CN
Ordem dos Médicos

Anúncio no Diário de Notícias previa Fátima dois meses antes


Os três videntes da Cova da Iria (Fátima)
*
Anúncio no Diário de Notícias de 10 de Março de 1917 

Um anúncio no DN de há exactamente cem anos anunciava acontecimentos extraordinários para o dia 13 de maio de 1917
Diário de Notícias [Ler aqui]
***«»***
Afinal, aconteceram dois milagres, o de Fátima, propriamente dito,  consagrado pela Santa Madre Igreja, e o do anúncio do Diário de Notícias, por inspiração divina de uma seita espirita.
Alexandre de Castro
2017 03 11

A extrema-direita fascistóide começa a querer levantar a cabeça


A extrema-direita fascistóide começa a querer levantar a cabeça

A extrema-direita fascistóide começa a querer levantar a cabeça. E é nas universidades que ela está mais activa, procurando criar um ambiente de violência, com recurso à intimidação e à ameaça física. É a mesma táctica, usada nos anos finais da República, em que se celebrizou, como activo militante de uma organização fascista, um estudante da Faculdade de Direito de Lisboa, de nome Marcelo Caetano. Foi esta, também, a mesma táctica, adoptada pelas juventudes hitlerianas, nos anos trinta, do século passado.
Foi perante a existência desse ambiente de potencial violência, promovido por estudantes fascistóides, já devidamente organizados e teleguiados, que a direcção da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) da Universidade Nova de Lisboa resolveu, e bem, suspender a conferência do fascistóide Jaime Nogueira Pinto.
Alexandre de Castro
2017 03 11

quarta-feira, 8 de março de 2017

DIA INTERNACIONAL DA VARANDA _ Poema de Maria Azenha

Coluna partida _ Frida Kahlo


DIA INTERNACIONAL DA VARANDA:

da Mulher,
da Colher,
de Flaubert,
de Almoster,
de Alenquer,
de Aluguer,
de Qualquer,
aspas
aspas
raspas
aspas
aspas
caspas
aspas
aspas
aspas
basta!
Disse Adília Lopes:”os peixinhos- de- prata e os camarões ainda são parentes.”
Estas são as primeiras páginas da física quântica.
Adão e Eva: um vaso com meninos e plantas.

©maria azenha
***«»***
Um poema ironicamente cáustico de Maria Azenha, de uma grande originalidade, e que retira do baú das futilidades os estereótipos e as rotineiras referências ao Dia Internacional da Mulher, ridicularizando-as.
É uma forma saudável de homenagear a Mulher.
Alexandre de Castro
2017 03 08

DIA INTERNACIONAL DA MULHER


Em 1977 ficou reconhecido pelas Nações Unidas o dia 8 de Março, como o Dia Internacional da Mulher. Nesse mesmo ano, realizou-se o Congresso de todos os Sindicatos, da Intersindical, com reivindicações específicas das mulheres trabalhadores.

Este artigo encontra-se em:
Entrada – CGTP-IN http://bit.ly/2lWYpde

Imagem e texto retirados do blogue Abril de Novo Magazine.

terça-feira, 7 de março de 2017

A Europa já é um cadáver adiado


A minha resposta a uma mensagem de uma amiga, que me enviou o texto do Livro Branco sobre o Futuro da Europa.

Querida amiga:

Julgo que o futuro da nossa "querida" Europa foi decidido ontem, em Paris, pelo Bando dos Quatro, com o mesmo cinismo com que, no passado, se contava às criancinhas a história do Menino Jesus, a descer pela chaminé, no dia de Natal, para deixar prendas no sapatinho.

A proclamação de que a Europa iria caminhar, com sucesso, ao encontro de um risonho futuro (para a Alemanha e para a França, digo eu) num comboio a duas velocidades (já há quem diga que é a várias velocidades, ficando sem se saber se se pode meter a marcha atrás), soou a uma declaração fúnebre do projecto europeu. De tal forma, que nem sequer fomos brindados com os beijinhos da praxe à czarina, beijinhos esses que, no passado, o infeliz Sarkozy não desperdiçava.

A Europa já é um cadáver adiado. As contradições da sua existência, como espaço económico unificado, são, desde há muito tempo, evidentes. Uma evidência que dói, pois é de dor o cenário que se vislumbra em Portugal, na Grécia e no Chipre. A chantagem financeira e política substituiu a solidariedade falsamente apregoada, solidariedade esta, em que eu nunca acreditei, pois considerei sempre que a UE era um espaço de negócio, desenhado para benefício dos dois países ricos, que a dominam, a Alemanha e a França.

E eu pasmo de espanto como os nossos dirigentes políticos ainda sonham que podem conduzir o carro europeu em quinta velocidade! O meu conselho é que o governo compre uma carroça e um burro mirandês. Pelo menos, poupa dinheiro em gasóleo.
Alexandre de Castro
2017 03 07

domingo, 5 de março de 2017

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS - COMUNICADO_ BASTA!


FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS

COMUNICADO

BASTA!

A FNAM tem vindo a alertar em sucessivas ocasiões para a crónica incapacidade do Ministério da Saúde em definir e implementar soluções concretas para os delicados e urgentes problemas que se colocam aos profissionais de saúde, em particular aos médicos, e à própria viabilidade e sustentação do SNS.

Nas últimas semanas, o Ministério da Saúde decidiu enveredar pelo confronto directo com as organizações sindicais médicas ao publicar legislação sem respeitar a obrigatoriedade legal e constitucional em proceder à sua prévia negociação, bem como ao desrespeito pelos compromissos negociais assumidos.

A publicação, ontem, do DL nº25/2017 relativo à Lei de Execução Orçamental, constitui um acto de má-fé negocial e que espezinha todos os compromissos negociais que já tinham sido assumidos quanto à reposição legal do pagamento do trabalho extraordinário.
Estes factos assumem uma extrema gravidade e a não serem imediatamente corrigidos impõem a adopção inadiável de enérgicas medidas de contestação reivindicativa.

Nesse sentido, o Conselho Nacional da FNAM aprovou hoje o desencadeamento imediato de contactos com o SIM e com outras organizações médicas com vista à convergência de formas de luta.

Os médicos saberão responder, como noutros momentos difíceis, a esta situação intolerável.

O Conselho Nacional da FNAM 
Coimbra, 04 de Março de 2017